Como o Marketing Pessoal pode salvar o seu emprego

tend-mkt2

Lançar um produto novo, ou até mesmo, mostrar os reais valores deste produto ao público-alvo é importante nos dias de hoje para aumentar a quantidade de vendas e consolidar o produto no mercado. Do mesmo jeito, o Marketing Pessoal ajuda no reconhecimento com as pessoas, pois basicamente, é uma forma de se autopromover, seja no ambiente de trabalho ou fora dele, mostrando seus pontos positivos e suas qualidades.

Ao investir em seu Marketing Pessoal, você aumentará muito mais as chances de crescer e ter um maior reconhecimento entre os superiores da empresa. Qualquer pessoa pode fazer seu próprio Marketing Pessoal. Se você tem conhecimento para realizar determinada tarefa, faça. Não espere que outra pessoa da empresa tome a iniciativa por ela e pela empresa. Durante o horário de trabalho você deve aproveitar ao máximo para mostrar seus reais objetivos e qualidades, afim de divulgar a si mesmo, sempre com o pensamento positivo, almejando crescer de uma forma honesta e verdadeira, não forçada, sem querer “puxar o tapete” de ninguém.

É fato que, para o Marketing Pessoal dar certo, alguns defeitos devem ser eliminados, tais como: chegar atrasado ao trabalho, procrastinação, fofocas sobre os colegas, mentir sobre determinado acontecimento, contar vantagem, etc. todas estas coisas só vão atrapalhar o processo de se autopromover e irão comprometer o seu cargo dentro da empresa. Apostar em Cursos e Treinamentos também são uma ótima forma de mostrar interesse pelo seu trabalho. Para concluir, tenha um bom relacionamento interpessoal com seus colegas, pois é fundamental criar amizades profissionais no ambiente de trabalho e ser solicito sempre que algum colega necessitar de ajuda.

Texto escrito por: Felipe Oliveira (Consultor de Comunicação e Marketing – Oliveiras Consultoria & Marketing)

Anúncios

Limitar a utilização de dados é legal?

 

imagem-limite

O assunto está dando o que falar nas redes sociais, nas mesas de jantar das famílias, nas escolas, faculdades, escritórios, fábricas e por aí vai. Afinal, limitar a utilização de dados da Internet é legal? Será que é justo, para a grande maioria dos brasileiros que ficam conectados quase que o tempo todo, seja navegando espontaneamente, trabalhando, interagindo nas redes sociais, se comunicando, etc, e já pagam caro por um serviço ineficiente e de má qualidade, impor uma franquia, ou melhor dizendo, uma “parcela” individual de utilização de dados na Internet? Para grande maioria, isso não é um justo.

Todos sabemos que a Internet no Brasil é uma das piores em todo o mundo. Dados revelam que o nosso país ocupa a 9ª posição, com uma média de 2,9 Mbps (Internet Banda Larga) empatando com o Vietnã. Uma das piores. O destaque neste estudo vai para a Suíça (ocupando a 52º posição), com 14,9 Mbps e a Coréia do Sul (ocupando a 54º posição) com 24,6 Mbps. A Internet no Brasil é insuficiente para atender as demandas dos usuários brasileiros que a utilizam e impor uma franquia com um limite de dados, só piora a situação. O que as três maiores operadoras de telecomunicações do país deveriam fazer primeiro, seria investir na qualidade, infra estrutura, atendimento e fornecimento do serviço. E quem precisa exigir isso destas três operadoras, somos nós, clientes ativos destas operadoras.

O cliente tem sempre razão. Essa frase nunca saiu de moda e, é a pura verdade. Nós, como clientes destas companhias, temos o direito de exigir melhorias nos serviços prestados e não aceitar de maneira alguma, a imposição de franquias, ou limites, sem que o serviço esteja funcionamento perfeitamente. O que está em jogo, na minha visão, é a cobrança de mais um imposto (entre tantos outros), que nós brasileiros, somos submetidos à pagar. Devemos lutar por nossos direitos e não é a toa, que o Código de Defesa do Consumidor está aí para nos ajudar. Vamos tirar proveito deste recurso e nos precaver. Se cada um fizer a sua parte, o limite de dados na Internet não será uma realidade no Brasil e ficaremos livre de taxas adicionais e parcelas abusivas. Sou e sempre serei a favor da Internet sem limites.

Texto escrito por: Felipe Oliveira (Consultor de Comunicação e Marketing – Oliveiras Consultoria & Marketing)

A importância do ‘Meme’

memes

Diariamente milhões de pessoas ao redor do globo compartilham ideias, opiniões, críticas e uma infinidade de conteúdo nas principais redes sociais. E dentro deste conteúdo, o que mais vem se destacando e chamando a atenção, é o Meme. De acordo com o Wikipedia, o Meme é um termo criado em 1976 por Richard Dawkins no seu bestseller (O Gene Egoísta) que significa imitação. É usado para descrever um conceito de imagem, vídeo e/ou relacionados ao humor, que se espalha na Internet. A facilidade com que o Meme é compartilhado entre os usuários das redes sociais é o que impressiona. Dependendo do conteúdo, este único Meme pode atingir em torno de 500 mil à 1 milhão de usuários em poucas horas, ou até mesmo em um dia.

E por que não utilizar esta excelente técnica para chamar atenção da sua empresa? São infinitas as possibilidades de integrar um Meme à imagem, cultura, identidade e objetivo de sua empresa e/ou organização. Por exemplo, uma empresa que vende materiais escolares para crianças entre 5 a 10 anos. A técnica que a empresa poderia utilizar para vender mais, seria um vídeo e/ou uma imagem mostrando uma criança interagindo na escola com uma pitada de humor e um Meme que fará uma ligação inconsciente entre o produto e o público-alvo. Entende o que a marca de refrigerantes ‘Dolly’ faz em seus comerciais? Não vemos crianças bebendo refrigerante, mais interagindo com seus amigos e família. O mascote aparece como Meme. O último comercial inclusive deu o que falar.

Para qualquer marca, é preciso determinar o que pode vir a ser um Meme interessante, funcional e inteligente, logicamente respeitando valores, crenças da sociedade e agregando valor à cultura da empresa. Sempre voltado também à sustentabilidade e o respeito ao meio ambiente. Em sua próxima campanha, não se esqueça de inserir um Meme, e você notará uma grande melhoria em suas vendas e no relacionamento com seu público.

Texto escrito por: Felipe Oliveira (Consultor de Comunicação e Marketing – Oliveiras Consultoria & Marketing)

O ‘Novo’ Profissional de Marketing

imagem31

Na medida que acompanhamos situações adversas se desencadeando dia após dia, por conta de vários fatores, mudanças vão acontecendo em todos os segmentos atuais de mercado. Mudanças estas, que irão refletir em um futuro próximo, porém, incerto. O ‘Novo’ Profissional de Marketing também está dentro destas mudanças. E por que não estaria? Estamos enfrentando uma crise econômica nunca antes vista, com desempregos em massa, preços inflacionados, geração de mais impostos, saúde precária, educação nem se fala, corrupção no alto escalão da política e etc.

O ‘Novo’ Profissional de Marketing está surgindo como uma “luz no fim do túnel”. Será ele que transmitirá uma segurança maior para as pequenas, médias e grandes empresas. É ele que trará equilíbrio e consciência sustentável às organizações, pois acredita que realizando um planejamento mais assertivo, aliado à uma nova estratégia de comunicação, relacionando o respeito ao meio ambiente junto a visão renovada de mercado, resolverá boa parte dos problemas internos e externos, sem hesitar em nenhum momento, sempre com confiabilidade, otimismo e bom senso.

A iniciativa e o empenho de profissionais oriundos do mercado de trabalho, atualmente se tornaram um grande diferencial, pois isso gera a motivação e o pensamento positivo, que irá contaminar de forma igualitária e racional, todos à sua volta. Sem dúvida, estes são os ingredientes certos para que uma empresa forneça e transpareça confiança na prestação de seus serviços, todos os dias. O mundo está mudando, as relações entre as empresas estão mudando e o ‘Novo’ Profissional de Marketing irá acompanhar de perto tudo isso. Será a grande aposta das empresas para este ano de 2016. A hora é agora. As empresas precisam disso, mais do que nunca.

Texto escrito por: Felipe Oliveira (Consultor de Comunicação e Marketing – Oliveiras Consultoria & Marketing)

O Marketing e a Economia

imagem-blog

Você, que atua nas áreas de administração, comunicação e marketing, provavelmente sabe a importância que tem essas duas palavras no mundo dos negócios. O Marketing e a Economia são, de um ponto de vista racional, conceitos profundos que definem uma visão, um caminho, uma sociedade, um país, em modo geral, os rumos de nossa carreira e vida financeira.

Estamos vivendo tempos de mudanças rápidas e profundas, em um mundo cada vez mais competitivo e comprometido com novas tecnologias, recursos naturais escassos, falta de controle de natalidade, terrorismo extremo, guerras engessadas, etc. O que as empresas e os negócios locais esperam neste momento é a retomada dos lucros de anos passados. Mas, como ter lucro em meio à tantas incertezas, inseguranças e dúvidas? Com quedas constantes de ativos, bolsas e ‘commodities’ nos países em que a economia é abundante, o desespero toma o lugar da esperança. Inclusive aqui no Brasil. Nossa economia ganhou força em 2010 e de lá pra cá podemos analisar que, a queda da mesma se deu muito por conta das incompetências e falta de planejamentos vindos do governo.

Sei que a força, tanto do Marketing, quanto da Economia podem reverter este quadro, ajudando as empresas à terem grandes melhorias em todos os aspectos, trazendo novamente o ‘poder de compra’ e a satisfação do cliente em adquirir serviços e produtos com bons olhos, inclusive realizando recomendações positivas para que outras pessoas também façam o mesmo. Este será o ano da mudança, em vários aspectos, e por que não mudar também o Marketing de sua empresa para melhor? Lembre-se sempre: Nos dias de hoje é preciso ganhar o interesse de seus consumidores, e não comprá-los, com táticas ultrapassadas que “empurra” produtos e/ou serviços para eles. É preciso pensar em Economia Criativa (forte tendência para 2016 e próximos anos) somada ao Marketing e a Comunicação Integrada.

Texto escrito por: Felipe Oliveira (Consultor de Comunicação e Marketing – Oliveiras Consultoria & Marketing)

O equilíbrio “na corda bamba”

corda-bamba

O fim de ano está sendo muito conturbado por conta de vários fatores acontecendo simultaneamente em nosso país e também no mundo. Parece que estamos caminhando em uma corda bamba, tentando a qualquer custo, mantermos equilibrados e firmes, enquanto atravessamos este momento difícil de crise econômica, instabilidade financeira, problemas na política, saúde, educação, saneamento público e etc.

Grande parte das pessoas sabem que a expressão popular “estar na corda bamba”, significa insegurança, em alguns casos, pode ter um sentido mais profundo, como uma ameaça de demissão ou situação perigosa. Mais vamos tentar entender esta expressão por um lado mais otimista. A corda é uma linha reta, que liga dois pontos distantes e podemos compreender estes dois pontos como sendo o passado e o futuro. O passado já passou, então ao olhar para trás, todos teremos lembranças de onde pisamos e o que foi necessário fazer para mantermos o equilíbrio na corda. O futuro é onde iremos chegar, ao se equilibrar na corda, fazendo o que for possível para não cairmos.

Para mantermos o equilíbrio perfeito, devemos estar conscientes de nossos atos e tendo sempre em mente o pensamento positivo de que tudo irá melhorar ao longo da travessia. O segredo é simples: tendo o pensamento positivo, a boa conduta e o bom senso alcançaremos todos os nossos objetivos. Estes são os ingredientes necessários para que toda pessoa consiga se manter equilibrada na corda. Todos somos capazes de conquistar nossos sonhos e realizações. Então por que não caminhar em sua corda, todos os dias, com empenho, motivação, vontade de crescer, perseverança e otimismo?

Texto escrito por: Felipe Oliveira (Consultor de Comunicação e Marketing – Oliveiras Consultoria & Marketing)

 

Black Friday ou “Black Fraude”?

img_shopping

Você já parou para pensar que a Black Friday no Brasil já virou um ritual de consumo desenfreado e intensamente frenético, levando grande parte da população à se dirigirem para lojas, sites, estabelecimentos, conveniências e etc? Eu sei que muitas pessoas aproveitam o ‘Dia Mundial dos Descontos’ para adquirirem produtos e/ou serviços pela metade do preço, as vezes na ingenuidade, de que, realmente precisam daquele determinado produto.

Mais o que fazer para conter a ansiedade e não comprar por impulso, ou até mesmo, ao realizar a compra, não ter nenhum tipo de problema, com sites que não funcionam, fretes abusivos, entregas atrasadas, ou até mesmo na diferença de valores?

É preciso ter consciência e bom senso, e talvez o mais primordial neste dia, é preciso perguntar a si mesmo: “Eu realmente necessito disso?”. Muitas pessoas acabam indo na “onda” de outras, seja familiares, amigos, colegas de trabalho e na vontade de participar de um dia comum, mais que a mídia e grande parte das lojas de departamentos, transformaram em um ritual.

E não é só aqui no Brasil, isto ocorre também em outros países. Por que vangloriar e fazer tanto alarde para o consumismo? Por que não pensar mais na sustentabilidade, no cuidado com a natureza e recursos naturais? Por que não criar o ‘Dia Mundial da Natureza’? Isso sim é mais importante.

Fazendo com que as pessoas tenham maior consciência da grande quantidade de lixo de produtos, roupas,  eletro-eletrônicos, restos de alimentos, detritos, etc, que diariamente vão para estes lixões e grandes aterros (e que na maioria já estão todos saturados), elas irão re-pensar se realmente precisam mesmo participar da Black Friday, ou melhor dizendo “Black Fraude”.  Lembrando a famosa frase do escritor Ralph Waldo Emerson: “É impossível para um homem ser enganado por outra pessoa que não seja ele próprio.”

Texto escrito por: Felipe Oliveira (Consultor de Comunicação e Marketing – Oliveiras Consultoria & Marketing)

Mercado e Tendências do Marketing Viral

imagem-viral

Você já deve ter ouvido falar em Marketing Viral, nos últimos tempos, não é mesmo? Na prática, o Marketing Viral é definido como uma estratégia planejada para levar pessoas a retransmitirem uma determinada mensagem para amigos, colegas de trabalho, conhecidos e demais contatos de suas redes sociais. A nomeação ‘viral’ está relacionada a esse poder de transmitir as mensagens com rapidez para um grande número de pessoas.

Empresas multinacionais, tais como Coca-Cola, Dove, etc. vem investindo no conceito de Marketing Viral e produzindo peças bem elaboradas, até em muitos casos, engraçadas, com o simples intuito de serem compartilhadas pelo público, gerando assim um zumbido, sussurro e/ou murmuro da marca. E o objetivo é este mesmo, disseminar, da melhor maneira possível, ideias, conceitos, estilos, novidades, etc.

O Marketing Viral também pode ser feito com baixíssimo custo, e, se for criativo, com certeza terá uma boa repercussão e rápida transmissão entre as redes sociais. A única desvantagem é que para atingir um público específico, a efetividade da ação pode sofrer dificuldades. Mais como na Internet, tudo pode se tornar relevante de acordo com o ponto de vista da audiência, aproveite a facilidade de se comunicar e faça sua ação criativa “bombar” com os recursos e ferramentas do Marketing Viral.

Texto escrito por: Felipe Oliveira (Consultor de Comunicação e Marketing – Oliveiras Consultoria & Marketing)

Marketing de Relacionamento: Ferramenta essencial para sobreviver à crise!

marketing-relacionamento

Nestes dias turbulentos por conta da economia do país, o empresário / empreendedor sabe que qualquer solução à curto prazo que fará ele contornar a crise e vender mais, será muito bem vinda, pois agora é o momento de reunir todas as boas ideias e ir com tudo, afim de obter os melhores resultados, atingindo as metas estipuladas. Uma grande ideia, sem dúvida, nestes dias, é de utilizar o Marketing de Relacionamento a favor do seu negócio.

Mais do que nunca, a retenção de clientes é ainda a grande dificuldade de muitas empresas, pois a facilidade com que o consumidor tem hoje de mudar de opinião em apenas alguns minutos, faz com que a qualidade dos serviços sejam repensadas e priorizadas. Uma vez, apenas uma, que o cliente não atendido de maneira apropriada, não volte e/ou não faça mais negócios com a sua empresa, é de quase 99%. E isso atinge proporções mais drásticas, pois um cliente mal atendido, irá fazer reclamações para o seu círculo de amigos e família, compartilhando a experiência ruim que teve com o serviço prestado. Por isso, o Marketing de Relacionamento é de extrema importância para que você possa não apenas atender melhor o seu cliente, mais também fidelizá-lo. E que empresa hoje no Brasil, não quer mais do que tudo ter sua carteira de clientes fidelizadas?

Existem mil e uma maneiras de utilizar o Marketing de Relacionamento no seu tipo de negócio. Como todo Marketing, é preciso antes de tudo, elaborar um Planejamento Estratégico, com uma meta a ser atingida, prevendo riscos e contra-tempos e o foco principal de todo planejamento de Marketing Profissional: Tirar o ‘s’ da palavra crise e deixar – CRIE!

Texto escrito por: Felipe Oliveira (Consultor de Comunicação e Marketing – Oliveiras Consultoria & Marketing)

Facebook x Linkedin

Sem Título-1

O que podemos dizer sobre esta disputa acirrada de mídias sociais? A primeira delas, sem dúvida, é que uma não tem nada a ver com a outra, ou seja, enquanto o Facebook é utilizado para lazer, descontração e entretenimento, o Linkedin é totalmente diferente, destino a usuários em busca de emprego, networking e informações de empresas nacionais e multinacionais. São dinâmicas distintas mais com a mesma finalidade: a comunicação.

A comunicação hoje em dia se faz presente muito mais na Internet e não é novidade pra ninguém. Já que vivemos esta realidade, o que fazer para se comunicar da melhor forma nas redes sociais? Esta resposta é simples, você precisa ter consciência de tudo o que você publica e compartilha, seja com seus clientes, amigos, familiares e/ou conhecidos.

Por isso, na hora de trabalhar a sua comunicação via Internet, seja o lado pessoal ou o lado profissional, seja você estudante, ou dono de um negócio, tenha sempre o bom senso. Aliado ao senso crítico e o raciocínio, é um dom pessoal extraordinário.

Assim como a diferença do Linkedin e Facebook, os usuários de mídias sociais, quando se conectam ao Linkedin por incrível que pareça, a maioria possui grande bom senso e sabem que a rede profissional não aceita “qualquer tipo” de publicação, por mais peculiar que pareça. Já no Facebook, muitas delas se deixam levar por notícias “menos inteligentes, mais bobas” e compartilham aquele conteúdo, sem o devido bom senso. O Facebook nasceu com potencial para ser uma ferramenta também de utilização na procura de empregos e serviços, networking e boas notícias.

Nós da Oliveiras Consultoria & Marketing acreditamos nas duas mídias sociais e seremos sempre a favor de publicações com conteúdos relevantes e inteligentes. Com essa mudança de consciência, as pessoas transformaram as redes sociais em poderosos meios de estatísticas e dados relevantes, pois quem faz a rede são as pessoas. Em uma frase mais popular: Agora é a voz(vez) do povo!

Texto escrito por: Felipe Oliveira (Consultor de Comunicação e Marketing – Oliveiras Consultoria & Marketing)

#acomunicaçãodesuaempresaemboasmãos!